27/10/2014

Postado por PIBID Sociologia UFBA
| segunda-feira, outubro 27, 2014
No dia 22 de agosto de 2014, ocorreu mais uma atividade dentro da temática de Gênero e Sexualidade, da segunda unidade do Colégio Estadual Odorico Tavares. Sob a supervisão do prof. Cícero Muniz, os bolsistas Rômulo Iago, Taiala Águilan e Rithiane Almeida promoveram a atividade Gênero e família: discutindo o papel da mulher a família escolhida, com as turmas 3M5 e 3M6.


 A atividade, caracterizada enquanto uma roda de conversa iniciou-se com a retomada da temática da atividade anterior, seguida de um debate sobre a propaganda “Minha família é essa Coca-Cola toda” (disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=c6YegtzyCVk), postado no grupo do Facebook das turmas, no dia anterior. Após isso, foi-se ressaltando através da contribuição dos estudantes, mediante perguntas feitas e experiências compartilhadas, o caráter social e histórico da família e dos papéis de seus membros.

Essa discussão partiu do questionamento acerca da verossimilhança da representação familiar presente na propaganda e da ideia de família que os estudantes possuíam, notadamente, a família nuclear, enquanto “família completa”, que contrastava com a família que a grande maioria deles possuía. Desse modo, ao longo da discussão, foi possível travar análises capazes de proporcionar a desnaturalização da ideia de família nuclear enquanto único modelo de família legítimo e completo. Isso ocorreu por meio do enriquecimento da discussão com a retomada do debate sobre gênero e relacionamentos, que foi desenvolvida na atividade anterior.


Em seguida, foram feitos questionamentos acerca do papel da mulher dentro do casamento ao longo da história – e como esse não se modifica apesar da reconfiguração da mulher dentro da sociedade. A partir daí, a discussão foi levada a outro patamar de reflexão, de questionamento do padrão heteronormativo que incide sobre a família. Trazendo à baila a existência dos relacionamentos homossexuais, e como ao fugirem desse padrão – ainda que seja comum a tentativa de transposição da visão heterossexual para homossexuais, o que foi ricamente pontuado pelos próprios estudantes – eles permitem uma abertura à negociação acerca dos papéis de cada um dentro da sua família, nominada por Giddens (2011) de famílias escolhidas. A discussão, com um fechamento frisando a capacidade de um casal homossexual criar uma criança e formar uma família, durou 50 minutos com cada turma.


A partir disso, percebe-se que foi possível contribuir para que os estudantes ampliassem um pouco mais a sua capacidade de rever criticamente sua realidade. Provavelmente outros elementos para estimular a participação fossem necessários, mas a questão da mídia enquanto agente reforçador dos padrões excludentes da maioria das famílias foi bastante contundente e eles trouxeram uma série de exemplos e perceberam uma série de incongruências da realidade com os arquétipos midiáticos. Com esta atividade, conseguiu-se debater uma questão pública em destaque atualmente, interconectando-o ao tema da unidade. O PIBID Sociologia UFBA ficou feliz com a contribuição dos alunos e promete mais novidades; atividades cada vez mais participativas virão.
Postado por PIBID Sociologia UFBA
| segunda-feira, outubro 27, 2014
No dia 15 de Agosto foi realizada, nas turmas 3M3, 3M5 e 3M6 do Colégio Estadual Odorico Tavares, a segunda atividade da segunda unidade, "Sexualidade humana", pelos bolsistas Lícima Santos, Pedro Fragoso, Rithiane Almeida, Rômulo Iago Santos e Taiala Águilan.


A atividade foi iniciada com uma breve explicação sobre o tema. A partir disso, usando slides, foram apresentados os tópicos que nortearam a atividade. Com base em conceitos retirados de estudos referentes a obras específicas de Bauman (2004), Beck (2010), Foucalt (2014) e Giddens (1993 e 2012), os bolsistas abordaram respectivamente questões do tabu do sexo, sexualidade, comportamento sexual, sexo e sentimento, tipos de amor e tipos de relacionamento.

Após o momento introdutório, foram destacadas as modificações sociais ao longo do tempo que influenciaram de alguma forma no pensamento em torno das discussões dos papeis de gênero e suas finalidades. Em seguida, foi-se discutido a desvinculação das relações sexuais e do sentimento, haja vista que, na modernidade, devido as diversas formas de se relacionar (relacionamentos abertos, poliamor, dentre outros ilustrados), os indivíduos priorizam a liberdade individual, que somando a outros fatores, influenciaram para o enfraquecimento dos moldes de relacionamentos tradicionais.


Em suma, a atividade chamou à atenção dos alunos pelo fato deles se identificarem em alguns momentos, de algum modo, com o que estava sendo apresentado. Destacamos, nesse aspecto, a conclusão da intervenção, onde os bolsistas demonstraram - a partir de letras de músicas e poemas – a relação entre amor e sofrimento e os diversos modos que os indivíduos encontram para lidar com o fim de seus relacionamentos, o que gerou um debate devido à identificação do público com a questão. Assim, por conta dos interesses dos alunos com a temática abordada, eles se sentiram à vontade pra relatar experiências próprias e ao fim agradeceram e deram feedbacks positivos.
Postado por PIBID Sociologia UFBA
| segunda-feira, outubro 27, 2014
No dia 25 de Julho aconteceu a terceira atividade do Pibid de Sociologia da UFBA no Colégio Estadual Odorico Tavares. A atividade que contou com os (as) bolsistas Lícima Santos, Pedro Fragoso, Rômulo Iago Santos e Taiala Águilan, e foi realizada com as turmas 3M3, 3M5 e 3M6, tendo como tema a desconstrução da questão do gênero e as suas relações, tema que faz parte da IIª unidade.



A atividade teve como objetivo geral problematizar com os estudantes a respeito da construção social de gênero e suas naturalizações sociais, para que através da reflexão sociológica sobre o tema, eles pudessem compreender e refletir sobre a importância e centralidade do sexo, gênero e da identidade de gênero nas construções das identidades modernas, bem como, em paralelo, poder desnaturalizar os papéis, identidades e estereótipos de gênero, afastando assim os preconceitos que são desenvolvidos em nossa educação de gênero.

A atividade começou com a realização de uma oficina que consistiu na seguinte dinâmica: foram desenhados na lousa três colunas, as dos extremos intituladas com “HOMEM” e “MULHER”, respectivamente, e a coluna do centro vazia. A pedido dos bolsitas, os estudantes mencionaram elementos que para eles eram definidores dos homens e os que eram definidores das mulheres. Feito isso, os bolsistas inverteram os títulos das colunas das extremidades (os itens que eram específicos de homem ou de mulher foram colocados na coluna do centro) para demonstrar que boa parte dos elementos que eles utilizaram para descrever o homem serviriam também para descrever a mulher e vice-versa. Neste momento os estudantes levantaram questionamentos que serviram de base para os bolsistas abrirem discussão, problematizando as questões relacionadas ao tema.



 Na atividade tivemos uma participação bastante relevante da maioria dos estudantes. Eles trouxeram questionamentos, dúvidas, experiências do seu cotidiano que enriqueceram de forma ímpar a apresentação dos bolsistas, permitindo que o objetivo proposto fosse alcançado, além de facilitar a problematização de alguns temas correlatos. Em síntese, essa atividade mostrou aos bolsistas a grande importância de se trabalhar um tema que é carregado de preconceitos e estereótipos e que mesmo assim não é trabalhado, no cotidiano, como deveria ser.

19/10/2014

Postado por PIBID Sociologia UFBA
| domingo, outubro 19, 2014
A iniciação à docência envolve o desenvolvimento de várias habilidades, dentre elas a escuta sensível. Ao ponderar os resultados alcançados nas turmas trabalhadas as bolsistas e professora diagnosticaram, em uma das turmas, a dificuldade de lidar não tanto com o conteúdo da matéria e sim com os próprios colegas, tendo em vista que o silêncio e o clima de desconforto pairavam sob o ar quando os alunos eram solicitados a participarem das atividades. A partir deste percepção dos relacionamentos entre os alunos fomentou-se uma atividade no dia 01/09/2014 cujo o objetivo era fazer como que os estudantes da turma A se comunicassem melhor e pudessem romper a barreira da hostilidade, que claramente representava ali um obstáculo epistemofílico. Formulou-se um plano de aula que previa estimular a formação de vínculos através do diálogo. Desta forma,construímos e aplicamos a seguinte atividade: a) num primeiro momento, solicitamos aos alunos que conversassem com colegas com quem eles raramente entravam em contato. Duplas de alunos foram formadas e , durante 20 minutos os alunos deveriam conversar entre si, identificando características dos colegas como idade, local de habitação, configuração familiar, gostos musicais, matérias preferidas, etc. b) Ao fim do tempo cada um da dupla formada deveria apresentar o colega à turma. Como esperávamos, a atividade foi um verdadeiro sucesso apesar da timidez inicial todos os alunos da turma A . Logo que se fizeram as primeiras apresentações entre os alunos os participantes se mostraram curiosos por conhecerem seus colegas e o ambiente se tornou aprazível e participativo. O feedback foi extremamente positivo e os alunos passaram a ter maior conhecimento daqueles com os quais conviviam diariamente. 


20/09/2014

Postado por PIBID Sociologia UFBA
| sábado, setembro 20, 2014
No segundo semestre de 2014.2 as atividades do PIBID Sociologia UFBa vem se dando com maior frequência no colégio ICEIA, a partir do aumento do número de visitas das bolsistas a unidade escolar. Esta maior aproximação das inciandas à docência Ana Paula, Íris Cristina, Jaqueline Barreto, Marineide Rego e Rosângela Magalhães com as turmas da Tempo Formativo Eixo VI vem sendo bastante recompensadora, tanto no que diz respeito a possibilidade de realizar planejamentos mais adequados às turmas observadas quanto no âmbito da criação de vínculos emocionais das bolsistas do programa com a comunidade escolar do ICEIA.
Recentemente, nos dias 25 e 26 de agosto, realizamos a primeira atividade de intervenção ( sequência didática) das bolsistas no segundo semestre. A atividade ocorreu em sintonia com os temas tratados na II unidade, quando as bolsistas organizaram uma sequência didática intitulada “Os modos de produção no capitalismo: taylorismo e fordismo”. Ela foi composta por dois momentos distintos. No primeiro momento ocorreu a exibição do clássico  Tempos Modernos, que, devido ao limitado espaço de tempo da hora-aula no turno noturno ( 40 minutos) teve de ser reduzido aos 25 minutos iniciais. O filme foi extremamente bem recebido pelas turmas, apesar de ter sido exibido pela primeira vez em 1936. Ao final da exibição os estudantes relataram suas primeiras impressões do excerto exibido. Também ao fim da sessão os estudantes foram solicitados a formarem grupos. Cada grupo recebeu um pedaço de papel explicando um conceito já trabalhado pela professora em sala de aula como: taylorismo, fordismo, mais-valia e alienação do trabalho. Os grupos então foram solicitados a , no segundo momento reconhecer estes conceitos no filme exibido. O segundo momento da atividade consistiu, justamente, no debate em torno da associação entre os conceitos e as cenas do filme. As bolsistas acompanharam as respostas dos grupos de estudantes e fizeram inferências a partir das interpretações apresentadas, utilizando, em alguns momentos o recurso de revisitar algumas cenas do filme para melhor ilustrar seus argumentos. Por fim, os alunos foram convidadas a avaliar a atividade como um todo.
Bolsistas Marineide, Rosângela, Íris, Ana Paula e Jaqueline compartilhando a pipoca do Cine Clube Sociológico

Algumas dificuldades foram encontradas na ocasião e representaram um fato de pesquisa muito rico. Claramente, a atividade funcionou melhor em uma turma do que em outra, apesar de o mesmo conteúdo estar sendo trabalhado e através do mesmo método. Várias hipóteses foram levantadas para explicar o sucesso da atividade na turma do Eixo VI turma B e o fraco desempenho dos estudantes em participar do segundo momento da intervenção no Eixo VI turma A. A partir da observação percebemos a fragilidade dos laços afetivos da turma e uma resistência em compartilhar ideias com os colegas e bolsistas do pibid. Os próprios estudantes da turma A tinham pouco conhecimento a respeito dos colegas e havia alguma hostilidade entre eles. Este ambiente pouco convidativo, já notado pela professora desde o início do ano, motivou uma nova intervenção( sequência didática) do trio responsável pelo acompanhamento da turma A , que , no próximo post será descrita.
Estudantes do Eixo VI turma A do colégio ICEIA assistindo ao filme Tempos Modernos