20 de mai de 2015

Postado por PIBID Sociologia UFBA
| quarta-feira, maio 20, 2015

Para o Colégio Estadual Padre Palmeira, localizado no Setor G em Mussurunga I, a experiência de firmar uma parceria como o PIBID é inédita, ou seja, o subprojeto de Sociologia está inaugurando a relação entre a escola e a universidade.


Em nosso primeiro contato com as turmas do colégio tivemos a chance de apresentar um pouco sobre o PIBID e as nossas perspectivas. Com isso, despertamos a curiosidade sobre a vida universitária, havendo, dessa forma, muitas perguntas sobre os cursos, os processos seletivos, as bolsas de iniciação científica e a perspectiva de um futuro dentro da universidade. Nós bolsistas fomos efetivamente, “representantes da universidade” naquele momento. Percebemos que o objetivo do PIBID em construir uma ponte entre  a universidade e escola pública tem sido cumprida.
 De maneira geral podemos dizer que os encontros entre os/as bolsistas e os/as estudantes da escola tem sido positivo e a ideia de ter novas pessoas no processo de aprendizagem  dentro da  sala de aula tem sido recebida com entusiasmo pelas turmas com as quais estamos trabalhando.

Vale lembrar que não tem sido somente os alunos que se mostram entusiasmados com a presença do PIBID na escola. O corpo docente, além de bastante receptivo, também se mostrou muito interessado nas atividades que temos realizado no âmbito do programa. As primeiras intervenções já estão sendo realizadas e apesar de alguns contratempos, os resultados tem sido exitosos, com as turmas extremamente participativas durante as atividades (esse tema será abordado noutro post!).
Os únicos que ficaram tristes com a presença do PIBID foram os alunos/as que não estão envolvidos pelo projeto, o que tem despertado a curiosidade para saber o que acontece dentro das salas onde estamos realizando as atividades.

Eles/as, com certeza, terão a chance de interagir com o programa futuramente.




11 de mai de 2015

Postado por PIBID Sociologia UFBA
| segunda-feira, maio 11, 2015
Primeiras impressões: relato de visita dos licenciados ao Colégio Mestre Paulo dos Anjos
David Demaio Neto
Larissa Lima Santos
Leonardo Lima Santos
Pedro Fragoso Costa Júnior
Rômulo Iago de Jesus e Santos
Thiago Neri

Os ensinamentos da etnografia demonstram que não basta apenas cercar um objeto, é preciso entrar nele. Com isso, a proposta do PIBID tem um eficaz alinhamento, pois sua metodologia propõe o contato contínuo com os educandos, permitindo assim trocas contínuas e intensas com os licenciandos e supervisores.
Esse texto foi construído por seus idealizadores para fazer um convite: pise em minhas pegadas. Com isso, a pretensão é compartilhar múltiplos olhares, mas não um olhar despretensioso, ao contrário, trata-se de um olhar disciplinado (OLIVEIRA, 2006). O que se apresenta a partir de agora são contribuições agudas e intensas.
A dificuldade da distância, já esperada, repetiu-se como não poderia deixar de ser. O colégio é longe se tomarmos a UFBA como referencial, mas não é nada que atrapalhe o trabalho. Entretanto, ressalta-se que foram necessários dois ônibus para chegar ao colégio e demoramos pouco mais de 1,5 h pra chegar ao destino. Mas, o tempo de viagem não foi o que mais chamou atenção. O que se destacou aos olhos de todos foi o fato de o segundo ônibus não fazer parte do sistema de integração da prefeitura, o que fez com que pagássemos os dois transportes que pegamos, ao invés de um só.
Ao descer do segundo ônibus, caminhamos até o final de uma rua e chegamos ao colégio. Ao chegar, fomos direto para a sala dos professores para esperar que o resto do grupo chegasse para que conhecêssemos a estrutura do colégio e sua localidade. Destaque aqui para a “colmeia CEMPA”. A sala dos professores foi decorada com umas ilustrações meio juvenis de abelhas que formavam a colmeia que seria o colégio. Cada professor é uma abelhinha que está desenhada ao lado dos seus nomes nas portas dos armários. A sensação de retorno a infância por causa das ilustrações foi inevitável, mas não se pode deixar de ver o quanto essa ideia de “colmeia CEMPA” mostra que todos devem trabalhar juntos para que o colégio prospere como as abelhas fazem por sua casa.

A escola de fato me surpreendeu. Pensei que seria uma escola comum ao que nós vemos por aí. É uma escola que tem muito boa estrutura fisicamente. Conheci alguns professores, que foram bem educados e brincalhões com a gente (os bolsistas). (Leonardo, licenciando/Sociologia)

Contudo, chama atenção um espaço grande da escola que é inutilizado, pois é mato, e que poderia servir de espaço de lazer. É importante salientar que durante a noite as muriçocas invadem o colégio, principalmente os banheiros. As salas de aula possuem televisão, mas segundo Thiago elas não funcionam. A biblioteca está sendo reestruturada e está com um bom acervo pelo que deu pra perceber ao primeiro olhar, contudo ainda está pouco ventilada.
Diante de uma abordagem sociológica, não basta apenas conhecer a escola, precisa-se conhecer onde ela se encontra: desenterrar suas raízes. Sendo assim, conhecer o bairro por meio de uma longa caminhada é um modo artesanal e eficaz de produção sociológica (MILLS, 1982). Uma forma adequada de melhorar a educação é sabendo a quem se deseja educar.
O Bairro da Paz tem uma característica especial diante de tantos outros bairros periféricos da cidade, ele representa uma resistência constante por ser localizado numa região de especulação imobiliária muito grande, tanto é que existe um condomínio de classe média ao lado do bairro. Desde então, é bom ressaltar que o Bairro da Paz representa a resistência viva, pulsando na cidade.

O bairro é uma coisa impressionante. É muito claro as contradições sociais no Bairro da Paz, mas com a beleza escondida, que a gentileza do povo nos mostrou. Começamos a andar por uma rua de chão, onde é acompanhada de um córrego de esgoto; que por conta disso tem muitas muriçocas em todo bairro. (Leonardo, licenciando/Sociologia)
No início do trajeto passamos por ruas de barro, com casas mal construídas, algumas até de madeirite, e com pessoas que pareciam viver em situação de pobreza quase que extrema. Podemos ver como as pessoas trabalham com reciclagem para tentar sobreviver. As casas ficam todas perto de um grande rio que virou esgoto que nos acompanhou em todo o trajeto. A visão não me surpreendeu, já tinha visto pessoas naquela situação anteriormente, entretanto, me comoveu, principalmente as das casas de madeirite. Provoca uma pausa pra pensar, mais uma vez, como deve ser viver nessas circunstancias em que você não sabe se sua casa vai resistir à próxima chuva. Que, caso resista à chuva, a casa estará inundada de esgoto quando a chuva passar.  (Rômulo Iago, licenciando/Sociologia)
Nessa mesma rua observei residências simples e pessoas humildes na rua, dialogando, algumas nos olhando como se questionasse o porquê de estarmos entrando naquela rua que nada tinha a oferecer de interessante. Durante todo percurso o Thiago é cumprimentado por alguns alunos, ex- alunos, e amigos, já que ele além de trabalhar no CEMPA é também morador do bairro. Percebemos alguns moradores queimando materiais para produzir fumaça com o intuito de afastar a presença de muriçocas que estão incomodando a região, inclusive dentro do próprio CEMPA. No chão de barro percebi crianças correndo, se divertindo, e chegando mais à frente há uma criança próximo a dois enormes latões de lixo olhando para o céu, disperso. No momento, me causou um impacto essa imagem refletindo a realidade de uma inocente criança no estado em que se vive com os grandes prédio residenciais do outro lado do grande córrego coberto por considerável quantidade de matos (Pedro, licenciando/Sociologia).
        Já foi possível ver a efervescência do comércio no local com supermercado, lojas de roupas, sapatos, bolsas e etc. Desde a rua anterior, já notamos uma diferenciação nas casas. Elas já começam a ter mais estrutura, já são visivelmente bem mais arrumadas e mostram uma situação de vida muito melhor do que a das primeiras ruas. Seguimos então pela rua principal rumo à escola novamente. Passamos por uma creche e por uma escola particular. Pudemos ver duas realidades diferentes do bairro que já tinha sido mais ou menos mostrada pra gente através do documentário “Malvinas: do outro lado da ocupação”. O destaque para essa segunda parte do trajeto foi uma quantidade considerável de policiais com suas viaturas na praça principal, todos com porte de grandes armas. Tinha a presença da RONDESP (Rondas Especiais).
       Depois do passeio por algumas vias, voltamos para a escola, local este que fica afastado do centro comercial do bairro. Conhecemos a sala dos professores e alguns destes, ficamos durante uma hora conversando acerca da vida cotidiana e aspectos relacionados à educação no bairro, sobre os jovens que trabalham e estudam à noite, da estrutura da escola e tantas outras coisas relacionadas ao aprendizado e educação. Após esta conversa, nos reunimos na biblioteca do colégio para discutir sobre o PIBID sociologia no colégio.
Thiago nos apresentou as turmas de aula do noturno, muitas estavam com metade dos alunos, devido ao feriadão da semana santa. Os/as estudantes são acolhedores/as. Saí de lá bastante empolgada e com vontade de voltar logo e começar de fato as atividades presenciais do PIBID. Foi bastante forte uma das frases em que Thiago mencionou: que a gente só alimenta essa paixão por ensinar justamente pelos/as alunos/as, em oposição à toda burocracia, das estruturas pouco mutáveis e de alguns colegas que acabam se desmotivando e se acomodando e esquecendo a libertação e autonomia que a educação proporciona ou deveria proporcionar.  (Larissa, licencianda/Sociologia)

Encerradas as atividades na escola, todos podem voltar pra casa com suas questões nefrálgicas de educadores em formação. Mais que cansaço, todos levam consigo muitas descobertas, mas não muitas respostas e sim várias interrogações. Algo de extrema importância, pois ensinar não é saber todas as respostas, mas sim um questionar contínuo.


MILLS, C. W. A Imaginação sociológica. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.
OLIVEIRA, R. C. O Trabalho do Antropólogo: olhar, ouvir escrever. In: OLIVEIRA, Roberto Cardoso. O Trabalho do Antropólogo. 3 ed. Brasília: Paralelo 15; São Paulo: UNESP, p. 17-35, 2006.

21 de abr de 2015

Postado por PIBID Sociologia UFBA
| terça-feira, abril 21, 2015

No dia 20 de Março o Pibid Sociologia realizou sua última intervenção no Colégio Estadual Odorico Tavares sob a Supervisão do profº Cícero, e desenvolveu-se um debate sobre a relação entre escola e educação na formação do sujeito social, através da dinâmica da teia de ideias.

A atividade ocorreu nas turmas 3m1, 3m2, 3m4 e 3m5, na quinta (19) e sexta (20), sob a batuta dos bolsistas Lays, Rosa, Fred e Zosimo.
 

 
A partir do referencial teórico formulado por Durkheim, Bourdieu e Mészáros, os bolsistas desenvolveram a atividade a partir da explicação da função social da escola e da educação, ressaltando o papel de classe e transformador dessas instituições.

No primeiro momento, apresentou-se o Pibid e o subprojeto Sociologia paras as turmas do terceiro ano do CEOT, destacando o papel do projeto e a função dos bolsistas na escola. Em seguida, apresentou-se o tema da intervenção, e pediu-se aos discentes que atribuíssem uma característica (positiva ou negativa) à escola e à educação. Após esse momento, o/a estudante aplicaria a dinâmica “teia de ideias”: ele pegaria uma ponta de barbante e escolheria um colega (na diagonal) para receber o barbante. Esse, por sua vez, enunciaria suas impressões sobre a questão norteadora, e depois daria prosseguimento à dinâmica.
 
 
Após todos os/as discentes terem proposto suas impressões sobre a escola e a educação, os/as bolsistas abriam a discussão com reflexões trazidas a partir dos autores norteadores. Com isso, propiciou-se um espaço de franco debate, onde os/as estudante pudessem compreender a escola como instituição de diferenças, disputas e desigualdades e a educação como um campo de valores sociais.

Por fim, a atividade alcançou com sucesso seu objetivo, que fora apresentar o programa às turmas e ensejar uma reflexão crítica e sociologicamente orientada a temas cotidianos e atuais.

***

O profº Cícero e o Colégio Estadual Odorico Tavares, encerram suas atividades junto ao Pibid Sociologia UFBA, com a certeza do trabalho cumprido. Agradecemos ao apoio de todos os/as bolsistas que trabalharam junto à escola no período em que esta esteve vinculada ao programa. A participação desses/as futuros professores foi muito importante para a modificação do cotidiano escolar e para a formação de futuros professores mais ambientados e comprometidos com a realidade da educação no país.

18 de mar de 2015

Postado por PIBID Sociologia UFBA
| quarta-feira, março 18, 2015

De acordo com os Editais 02/2015, voltado para a seleção um(a) supervisor(a) (professor(a) da Educação Básica), e o Edital 06/2015, voltado para a seleção de estudantes da Licenciatura de Ciências Sociais da UFBA, divulgamos os(as) aprovados(as) nos processos seletivos: 01 Supervisor, 04 Bolsistas ID e 02 voluntários(as)para atuar junto ao programa.

Ambos processos seletivos tiveram sua abertura no dia 02/03, com as inscrições dos(as) candidatos(as), via e-mail, e tendo as inscrições sido encerradas no dia 13/03.

Após a análise dos documentos enviados e das cartas de motivações dos(as) candidatos(as), foram selecionados(as) quatro candidatos(as) para uma vaga de supervisor(a) e onze candidatos(as) para duas vagas de Bolsistas ID. A entrevista ocorreu no dia 16/03, pela manhã, na sala do LASSOS, localizada no Pavilhão de Aulas Raul Seixas da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da UFBA, no campus de São Lázaro.

Participaram da entrevista Roca Alencar, coordenadora de área do Pibid Sociologia, e Cícero Muniz, Roberta Yoshimura e Thiago Neri, supervisores do programa.

Desta forma, divulgamos os aprovados(as) para uma (01) vaga de supervisor(a) do Pibid de Sociologia da UFBA:

 

1.    Wagner Carlos Vieira de Carvalho

2.    Mariana Bittencourt de Souza

3.    Maria Nazareth Silva Barbosa

4.    Martha Cavalcante dos Santos Bispo

 

Com relação a seleção para Bolsistas ID, foram aprovados(as) para quatro (04) vagas de Bolsistas ID (duas vagas contando no edital, e mais duas vagas abertas no processo) os(as) seguintes candidatos(as):

1.    Larissa Lima

2.    Louise Maniçoba

3.    Andréa Bulhosa

4.    Leonardo Lima

Ademais, foram selecionadas como voluntárias do programa, para futura participação como Bolsistas ID, as seguintes candidatas:

5.    Alissan Paixão

6.    Júlia Hirschle

 

Solicitamos que os(as) candidatos(as) aprovados(as) entrem imediatamente em contato com o programa para instruções e realização de cadastro junto ao sistema do Pibid Institucional.

 

Atenciosamente,

Equipe Pibid Sociologia UFBA

2 de fev de 2015

Postado por PIBID Sociologia UFBA
| segunda-feira, fevereiro 02, 2015

De acordo com o que rege o Edital 01/2015 do Pibid Sociologia UFBA, que objetivou a seleção de um(a) supervisor(a) (professor(s) da Educação Básica) para atuar junto ao programa, divulgamos os(as) aprovados(as) no processo seletivo.

O processo seletivo teve sua abertura no dia 19/01, com as inscrições dos(as) candidatos(as), via e-mail, e tendo as inscrições sido encerradas no dia 23/01.

Após a análise dos documentos enviados e das cartas de motivações dos(as) candidatos, foram selecionadas duas candidatas para a entrevista, que ocorreu no dia 28/01, pela manhã, na sala do LASSOS, localizada no Pavilhão de Aulas Raul Seixas da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da UFBA, no campus de São Lázaro.

Participaram da entrevista Natália Figueirôa, Roberta Yoshimura e Cícero Muniz, supervisores do programa, contando também com a presença dps bolsistas ID Miguel Pereira, Taiala Águilan e Rômulo Iago Santos.

Desta forma, divulgamos as aprovadas para uma (01) vaga para supervisora do Pibid de Sociologia da UFBA:

1.    Deise Queiroz da Silva
2.    Nadia de Jesus Menezes

Solicitamos que a aprovada entre imediatamente em contato com o programa para instruções e realização de cadastro junto ao sistema do Pibid Institucional.

Informamos também que as demais candidatas selecionadas ficarão em cadastro reserva para futuras demandas de vagas.

Atenciosamente,

Equipe Pibid Sociologia UFBA